iaiá  - 2004

 


RELEASE

Mônica Salmaso estréia na Biscoito Fino com iaiá


Considerada por críticos e músicos uma das mais representativas vozes da nova geração da música popular, a paulista Mônica Salmaso dá continuidade à sua impecável discografia com o cd iaiá, seu primeiro trabalho pela gravadora Biscoito Fino, e quarto disco na carreira.

“iaiá é um grande encontro de universos – de músicos e compositores, São Paulo e Rio de Janeiro – de uma forma livre, às vezes simples, às vezes complexa. Muitas músicas foram gravadas ao vivo no estúdio, e isso faz com que seja um cd mais orgânico e mais vivo”, diz Mônica.

O lançamento de iaiá encontrou a cantora em um momento especial de sua carreira. “Primeiro, porque esse cd é minha estréia na nova gravadora; depois, porque passei quatro anos sem gravar, fazendo apresentações pelo Brasil e exterior. Eu não sei exatamente o tamanho do meu público. Fiz muitos shows c
antando com outras pessoas, e meu trabalho foi crescendo de mansinho. Acho que esse disco poderá me mostrar um pouco a medida do público que foi criado até agora.”

Dona de uma voz doce e penetrante, de timbre único e raro, Mônica tem o poder de transformar suas interpretações em clássicos - qualidade própria das grandes cantoras. Chama a atenção sua capacidade de transitar com facilidade entre o erudito e o popular, não se limitando ao rótulo de cantora de um só gênero.

Apesar de ter seu nome ligado à nova geração da música popular, Mônica conta com um currículo sólido. Nomes como Edu Lobo, Paulo Bellinati, Eduardo Gudin, José Miguel Wisnik, Marlui Miranda, Guinga, Arnaldo Antunes - com quem participou do disco do Grupo de dança O Corpo -, Nelson Ayres e a Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo, entre outros, integram sua história musical.

Em iaiá, Mônica rende homenagem a Clementina de Jesus, com a canção "Moro na roça". “O Heron Coelho, pesquisador da música brasileira, me deu uma caixa de discos da Clementina que é uma verdadeira maravilha. Também ganhei algumas fitas com programas antigos de televisão. Fiquei enlouquecida”, explica a cantora.

A maior parte das músicas de iaiá foi tirada do repertório do projeto Ponto in Comum, que ela produziu no SESC-SP em 2002 e 2003. "Foram oito diferentes espetáculos, sempre com artistas convidados, e com o repertório baseado no trabalho desses artistas. Nesses encontros, desde a sua preparação até o espetáculo final, eu aprendi uma quantidade incrível de músicas. Muitas delas foram incluídas nesse novo trabalho.”

O novo cd conta ainda com a participação do músico Rodolfo Stroeter, produtor e co-diretor musical do disco, com quem Mônica realiza o quarto trabalho (Trampolim, Voadeira, Nem um ai, que ainda não foi lançado, e iaiá) "Nós trabalhamos muito bem juntos. Acho que pensamos o Brasil de modo parecido e temos muita facilidade em entender o que o outro está idealizando sobre o trabalho. Fica muito fácil trabalhar quando existe afinidade musical e criativa."

No repertório, convivem compositores de diferentes épocas, estilos e regiões, tais como Dorival Caymmi, Maurício Carrilho, Paulo César Pinheiro, Jair do Cavaquinho, Xangô da Mangueira, Zagaia, Silvio Caldas, De Chocolat, Carusinho, Rodolfo Stroeter, Joyce, Vanessa da Mata,Tom Jobim, Vinícius de Moraes, José Miguel Wisnik, Chico Buarque e Tom Zé.

Em relação à participação dos músicos: “Cantar com diferentes músicos e formações é uma característica da minha carreira. É assim que eu aprendo e me divirto cantan do. Nesse disco, participaram alguns dos músicos que eu mais admiro e aos quais sou imensamente grata.” Participam do disco, dentre outros, Paulo Bellinati, Robertinho Silva, Benjamim Taubkin, Rodolfo Stroeter, Toninho Ferragutti, Ari Colares, Teco Cardoso, Lui Coimbra, Caíto Marcondes, André Mehmari, Luca Raele e o quinteto Sujeito a Guincho, Maurício Carrilho, Luciana Rabello, Pedro Amorim, Jorginho do Pandeiro e Nailor "Proveta" Azevedo.

Com Teresa Cristina, divide a faixa "Na aldeia", canção que integra nosso cancioneiro popular e que já foi eternizada por Silvio Caldas. Nesse novo dueto, com um dos principais nomes da nova geração do samba, Mônica dá um belo exemplo de que a música popular brasileira não está parada no tempo e mostra que seu nome está definitivamente ligado aos músicos e intérpretes antenados com a qualidade da produção musical.

 
volta discografia

1. MORO NA ROÇA D.P. adap. por Xangô da Mangueira e Zagaia
2. CABROCHINHA Maurício Carrilho / Paulo César Pinheiro
3.  ESTRELA DE OXUM Rodolfo Stroeter / Joyce
4. MENINA AMANHÃ DE MANHÃ Tom Zé / Perna
5. VINGANÇA Francisco Mattoso / José Maria de Abreu
6. POR TODA A MINHA VIDA Tom Jobim / Vinícius de Moraes
7. ASSUM BRANCO José Miguel Wisnik
8. CIDADE LAGOA Sebastião Fonseca / Cícero Nunes
9. DOCE NA FEIRA Jair do Cavaquinho / Altair
10. SINHAZINHA - DESPERTAR Chico Buarque
11. ONDE IR Vanessa da Mata
12. É DOCE MORRER NO MAR Dorival Caymmi
13. NA ALDEIA Silvio Caldas / De Chocolat / Carusinho

Comentários sobre as músicas:

1. MORO NA ROÇA
(Adaptação de tema popular de Xangô da Mangueira e Zagaia)
Violão 7 cordas: Maurício Carrilho
Percussões: Robertinho Silva

É uma felicidade homenagear a Clementina. Na semana anterior à gravação, eu tinha visto imagens em VHS e escutado sua discografia (presentes do pesquisador Heron Coelho). A sua imagem e a sua voz estavam fortemente presentes.
Gravamos os três ao vivo e depois o Robertinho ficou livre para fazer sua “orquestra” de percussão.


2. CABROCHINHA
(Maurício Carrilho / Paulo César Pinheiro)
Violão 7 cordas e arranjo: Maurício Carrilho
Cavaquinho: Luciana Rabello
Bandolim: Pedro Amorim
Violoncelo: Iura Ranevsky
Pandeiro: Jorginho do Pandeiro
Tamborim: Celsinho Silva
Tamborim: Gordinho
Clarinete: Nailor "Proveta" Azevedo
Flauta: Marcelo Bernardes

Eu já canto essa música há alguns anos, e sempre adoro. Ela tem a graça da letra e da melodia e, somado a elas, o tempo do Brasil da boa e cordial malandragem.
Gravar com esses músicos e estar de alguma forma perto do que eles têm feito na Acari é uma honra para mim.


3. ESTRELA DE OXUM
(Rodolfo Stroeter / Joyce)
Violão: Paulo Bellinati
Flauta baixo “a Gorda” : Teco Cardoso
Baixo acústico: Rodolfo Stroeter
Percussão: Robertinho Silva

O Rodolfo me mandou um fax com a letra e, por telefone, cantou a música quando acabava de fazê-la. Ela tem essa simplicidade de canto popular, que eu adoro, e a maternidade, a feminilidade com que a minha voz combina. Nós gravamos sem percussão em São Paulo e depois, no Rio, o Robertinho deu a ela um tempo e um cenário.

4. MENINA AMANHÃ DE MANHÃ
(Tom Zé / Perna)
Piano e arranjo: Benjamim Taubkin
Acordeon e arranjo: Toninho Ferragutti
Flautas e Sax Barítono: Teco Cardoso
Violão e cavaquinho: Webster Santos
Baixo acústico: Rodolfo Stroeter
Percussão: Ari Colares

Um dia, o Rodolfo me disse: “Lembrei de uma música pra você. Compra o cd 2 em 1, do Tom Zé. Ela se chama ‘Menina amanhã de manhã’.”
Eu adorei a música imediatamente, mas não conseguia me imaginar cantando. Tentei cantar em casa - com meu violão insuficiente - e não cheguei a nenhum lugar.
Já na pré-produção do Iaiá, conversando com o Ferragutti, eu disse: “Tem essa música do Tom Zé, que eu tenho certeza que pode ficar linda, mas não consigo achar o caminho, o que você acha?”
Ele ouviu, adorou e insistiu. Junto com o Benjamim, o Toninho e eu ficamos procurando uma forma estrutural pra levar para o estúdio.
Também foi gravada ao vivo e, por todo mundo ter se apaixonado imediatamente por ela, ficou cheia de alegrias, de saudades e de Brasis.


5. VINGANÇA
(Francisco Mattoso / José Maria de Abreu)
Acordeon e arranjo: Toninho Ferragutti
Clarinete, sax alto (cortesia do Moreno) e
ar. de sopros: Nailor "Proveta" Azevedo

O Ferragutti me mostrou uma fita cassete com gravações do Gastão Formenti cantanto músicas que ele ouvia em sua casa no interior de São Paulo.
Fizemos “Vingança” num show de duo e depois ela entrou para uma das noites de Música Cabocla, no projeto Ponto In Comum. Gravamos ao vivo, voz e acordeon, e depois o Proveta muito sabiamente criou essa conversa entre o sax e o clarinete. Então eu vi o coreto, a praça, o baile, tudo dentro da história.


6. POR TODA A MINHA VIDA
(Tom Jobim / Vinícius de Moraes)
Violão e arranjo: Paulo Bellinati

Essa música nós fizemos juntos, no programa Ensaio, da TV Cultura. É muito emocionante cantá-la e muito importante o meu duo com o Bellinati - desde os Afro Sambas. Aprendi com ele a cantar escutando, cantar junto, fazer música.

7. ASSUM BRANCO
(José Miguel Wisnik)
Violão, percussões no violão e arranjo: Paulo Bellinati
Baixo acústico: Rodolfo Stroeter
Violoncelo: Lui Coimbra

Quando eu ouvi essa música pela primeira vez, fiquei encantada com sua delicadeza e cuidadosa construção melódica. É delicioso cantar indo atrás de cada nota, como se fosse um bordado. Assim, a gente pensou nas percussões no violão do Bellinati. Pra mim, elas têm um som de algo em construção, de artesão. Adoro isso!

8. CIDADE LAGOA
(Sebastião Fonseca / Cícero Nunes)
“Sujeito a Guincho”
Clarinetes: Luca Raele, Edmilson Nery, Sergio Burgani
Clarones: Luiz Afonso “Montanha” e Nivaldo Orsi
Arranjo: Luca Raele

Fiquei um pouco preocupada com possíveis más interpretações dessa música, por ela falar das enchentes cariocas. Não é o caso. O que me cativou foi a brincadeira, as imagens, a “girafa” e a malandragem sedutora do personagem. Quando convidei o Sujeito a Guincho pra tocar comigo, achei que ficaria legal fazer voz e clarinetes, mas o Luca Raele acabou indo muito além: fez um arranjo brilhante, divertido e cheio de imagens, como só ele poderia fazer e só esse quinteto poderia tocar. Foi um presentão!

9. DOCE NA FEIRA
(Jair do Cavaquinho / Altair)
Piano: André Mehmari
Percussão: Ari Colares
Flauta: Teco Cardoso

Conheci as músicas do seu Jair através da Teresa Cristina, no Bar Semente, na Lapa carioca. Esse samba-maxixe foi a primeira música dele que eu ouvi. Naquela noite, tinha um grande grupo de adolescentes cantando com ela os “ai, ai, ais”. Fiquei muito emocionada a noite toda com a volta ao samba, a garotada cantando Candeia, Paulinho da Viola, Nelson Cavaquinho, seu Jair (novo pra mim) e a Teresa Cristina cantando tão lindo.

10. SINHAZINHA (DESPERTAR)
(Chico Buarque)
Piano e arranjo: André Mehmari

Essa música faz parte da trilha sonora do filme Para viver um grande amor, de Chico Buarque e Tom Jobim. Desde o começo da minha carreira, eu cantei várias músicas dessa trilha. Sinhazinha vem dessas paixões.
O André e eu fizemos essa versão pensando na melodia e na voz como solitárias em relação ao piano, e este, livre, criativo e sofisticado, comentando, colorindo a poesia.


11. ONDE IR
(Vanessa da Mata)
Piano e arranjo: Benjamim Taubkin
Acordeon e arranjo: Toninho Ferragutti
Flauta: Teco Cardoso
Violões: Webster Santos
Baixo elétrico: Rodolfo Stroeter
Percussão: Ari Colares

Fiquei muito feliz por escolher uma música da Vanessa da Mata, porque sinto que ela tem uma “alma de compositora”. Esse arranjo foi estruturado pelo Benjamim e pelo Toninho, e depois criado em grupo no estúdio. Ficou todo mundo com essa espécie de saudade, esse final de tarde, esse “depois da chuva”...

12. É DOCE MORRER NO MAR
(Dorival Caymmi)
Piano e arranjo: Benjamim Taubkin
Sax Barítono: Teco Cardoso
Baixo acústico: Rodolfo Stroeter
Percussão: Caito Marcondes

As músicas do Dorival Caymmi - assim como a voz da Clementina de Jesus e o Villa-Lobos - são, para mim, jóias preciosas que trazem um Brasil inspirador, rico, vivo e único.

13. NA ALDEIA
(Silvio Caldas / De Chocolat / Carusinho)
Violão 7 cordas e arranjo: Maurício Carrilho
Cavaquinho: Luciana Rabello
Bandolim: Pedro Amorim
Violoncelo: Iura Ranevsky
Pandeiro: Jorginho do Pandeiro
Reco-reco: Celsinho Silva
Surdo: Gordinho
Prato e faca: Paulino
Clarinete: Nailor "Proveta" Azevedo
Coro: Analimar, Ana Costa e Jurema de Cândia
Participação especial: Teresa Cristina

Em 2002, por conta de uma noite do projeto Ponto In Comum (Sesc Ipiranga SP), Cristina Buarque me mandou alguns cds com sambas lindos que eu não conhecia. Na Aldeia é um dos 60 sambas que eu escutei e aprendi, escolhidos a dedo por ela, autoridade no assunto, apaixonada por procurar e generosíssima com quem quer aprender.
A Teresa Cristina, a quem eu também sou muito grata, participa lindamente dessa gravação


 
volta discografia

Ficha técnica

Produzido por Rodolfo Stroeter
Direção musical - Rodolfo Stroeter e Mônica Salmaso

Gravado nos estúdios - YB (Cidade Lagoa): engenheiros de som - Gustavo Lenza, Carlos Cacá Lima; MOSH: engenheiros de som - Alberto Ranellucci, Paulo Penov; COMEP (Sinhazinha): engenheiro de som - Homero Lolito; SARAPUÍ: engenheiro de som - Gabriel Pinheiro, assistentes - Fernando Prado e Lucas Ariel.

Mixado no estúdio SARAPUÍ por Gabriel Pinheiro, Mônica Salmaso e Rodolfo Stroeter
Masterizado no estúdio VISOM DIGITAL por Luis Tornaghi e Mônica Salmaso

Produção executiva - Pedro Seiler
Assistente de produção - Mila Freitas
Fotos - Marcílio Godoi
Projeto gráfico - Ruth Freihof (www.passaredo-design.com.br)
Designer assistente - Anderson Araújo

UMA REALIZAÇÃO BISCOITO FINO
Direção geral - Kati Almeida Braga
Direção artística - Olivia Hime

 

BRASIL  -  Gravadora Biscoito Fino
ESPANHA / ANDORRA - DiscMedi
USA - Harmonia Mundi
CANADA - Bros
JAPÃO - King International
FRANÇA - DG Diffusion